Literatura | Livros que Merecem uma 2° chance no Cinema ou TV

Literatura | Livros que Merecem uma 2° chance no Cinema ou TV

Sua franquia literária favorita foi adaptada e o resultado não foi tão bom quanto o esperado? Ou até foi, mas não fez sucesso o suficiente para emplacar? Saiba que você não está sozinho, separamos aqui 3 boas histórias que não tiveram tanta sorte com adaptações e que merecem uma segunda chance.

Percy Jackson e os Olimpianos

Aposto que quando leu o título imaginou que Percy Jackson estaria aqui, certo? Pois bem, a série conta a história de Perseus (Percy) Jackson, um garoto de 12 anos com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade), criado por sua mãe Sally, Percy é constantemente expulso de escolas, seja por não ter bom aproveitamento ou por ser perseguido por confusões.

Em uma visita a um Museu numa excursão da escola ele acaba sendo atacado por monstros e em consequência, pois somente ele parece ter visto o ataque, é expulso de lá, as coisas começam a ficar ainda mais estranhas quando ele descobre que na verdade é um meio-sangue. Metade humano e metade deus e que seu pai é Poseidon o deus dos mares.

Ele também descobre que toda a mitologia grega é real, tanto os heróis como os monstros e que o Olimpo agora é   no Empire State e que sua vida corre perigo. O único lugar seguro para pessoas como ele é um lugar perto de Long Island chamado Acampamento Meio-Sangue.

A história ganhou uma adaptação em 2010 com direção de Chris Columbus, na época o filme foi propagado como o  novo Harry Potter, mas infelizmente as coisas não foram assim. Muitas escolhas erradas foram feitas, em especial com a adaptação: mudança de idade dos personagens, pouca fidelidade a obra original.

Contudo, o filme tinha um grande elenco e chegou a lucrar cerca de 927 milhões de dólares em bilheteria e vendas de dvds, o que garantiu uma continuação com algumas poucas mudanças em busca de mais fidelidade ao material original. Mas ainda assim, decisões ainda piores foram tomadas e a chance da franquia continuar foi enterrada de vez para o alívio de muitos fãs.

Pois bem, diante desse breve resumo sobre a história e suas adaptações fracassadas passemos aos motivos que fazem Percy Jackson merecer uma segunda chance:

  1. O que me deixou fascinada desde a primeira leitura foi sem dúvida a forma como o livro apresentou uma justificativa para os problemas de aprendizagem de Percy e de outros meio-sangues, tal aspecto foi baseado na situação do filho mais velho de Rick Riordan, assim como a aparência física o personagem. Essa escolha faz do livro uma grande fonte de inspiração para as crianças com dificuldades de aprendizagem.
  2. O segundo ponto é a fidelidade com a mitologia grega antiga e a sua releitura a modernidade, os conflitos entre os deuses e a forma como os humanos são transformados em peões é genial.
  3. A relação Annabeth/Thalia/Luke e Grover, a  história é de longe um dos pontos mais interessantes dos 5 livros, bem como o envolvimento entre ela e os demais personagens mencionados e a forma como eles se tornam uma família.
  4. Tem tudo o que uma boa história juvenil precisa: boa mitologia, inspiração, ação, aventura e amor.

Agora temos aquela complicada questão, uma nova adaptação: cinema ou TV? Bem, depende, se considerarmos apenas a primeira série Os Olimpianos, uma adaptação  típica de cinema, porém bem feita seria o suficiente. Mas considerando que a saga continuou com Os Heróis do Olimpo, que apesar de não ser tão boa quanto a primeira, rendeu boas histórias, a TV ou Netflix pode ser um caminho melhor.

O Ciclo da Herança

Sabe aquela adaptação que você pensa: o que pode dar errado? Esse é o caso do Ciclo da Herança, provavelmente vão se lembrar por causa do título do primeiro livro que foi adaptado Eragon.

O Ciclo da Herança pode não ser a obra de fantasia e literatura fantástica mais famosa ou aclamada, mas é um das melhores obras de fantasia moderna. O protagonista da história é Eragon, um jovem de 16 anos que é criado pelo tio, pois sua mãe o abandonou quando ele era apenas um bebê. Ele vive em Alagaësia, um país medieval governado a anos pelo tirano Galbatorix, o ditador era um dos muitos Cavaleiros de Dragões, mas enlouqueceu após a morte de seu dragão, traiu os amigos e foi o responsável pela extinção das mágicas criaturas.

Tudo muda quando Eragon, em uma de suas noites de caça encontra um ovo de dragão, do ovo nasce Saphira, que rapidamente cria uma conexão com ele. No primeiro volume assistimos ao protagonista descobrir melhor sua história e a história de seu país e conhecemos também um pouco da mitologia criada por Christopher Paolini, o autor da saga.

A resenha do primeiro volume vai ser postada aqui em breve e vocês vão poder conferir, mas por hora vamos falar da adaptação? O ano era 2005, pouco depois do fim da trilogia do Senhor dos Anéis e Harry Potter facilmente se mantinha como saga sucessora no cinema. A produção de Eragon contou com grandes nomes como Rachel Weisz, Jeremy Irons e John Malkovich, o papel do protagonista foi entregue ao desconhecido Edward Speelers, semelhante ao feito com muitos atores de adaptações, era a chance dele fazer sucesso no cinema.

A mitologia de Alagaësia possibilitava um épico ao estilo Senhor dos Anéis, pois tínhamos anões, elfos, feiticeiros, dragões e homens lutando pela liberdade de um país e infelizmente a adaptação foi terrível, mudou diversas coisas da obra original e se tornou um filme fraco que quase não lucrou.

Desde então os fãs dos livros, inclusive eu, esperamos por uma adaptação a altura da história e seus personagens e essa é uma obra que eu gostaria muito que fosse adaptada para o cinema, para deixar a história bem fechadinha e sem grandes devaneios dos roteiristas, além de permitir um orçamento bom e que possibilite uma produção correta.

Mas esse não é o entendimento de muitos fãs, tomados pela febre GOT, a maioria prefere uma série aos moldes daquela, o que considero precipitado, já que os livros de Martin são voltados ao público adulto e os de Eragon são claramente ao público juvenil. De toda sorte, depois de mais de 10 anos após o fiasco, tudo o que queremos é uma adaptação que possa retratar bem a história criada por Paolini e que mantenha a essência de seus personagens.

As Crônicas de Spiderwick

Adaptar 5 livros em um único filme, não tem como dar errado não é? Esse foi o caso de As Crônicas de Spiderwick, obra pouco conhecida no Brasil, mas que diferente das sagas anteriores não teve uma adaptação “ruim”, mas que foi sucesso de crítica e teve até boa bilheteria. O problema aqui é que quando se considera a obra original, o conteúdo foi resumido, pegaram 5 livros e adaptaram em um único filme.

Os livros de fantasia contam a história da família Grace. Após o divórcio Helen decide se mudar para o interior junto com os filhos Mallory e os gêmeos Simon  e Jared. O último não se conforma e acaba se tornando uma criança problemática e isolada. Na nova residência ele encontra um Guia de Campo escrito pelo seu tio avô Arthur pouco antes dele desparecer. O guia conta os segredos da floresta que cerca a propriedade Spiderwick e das criaturas mágicas que ali habitam, desde fadas a trolls e goblins.

A descoberta acaba fazendo da família alvo do cruel ogro  Mulgarath que quer para si o conhecimento contido no guia. Jared precisa agora encontrar uma forma de proteger sua família e de fazer com que eles acreditem nele. Bem como provar que o tio-avô e sua filha Lucinda não eram loucos. Mas a família começa a enfrentar diversos problemas, desaparecimentos misteriosos e acidentes e Jared acaba sendo considerado culpado de todas as confusões.

Jared entende que precisa destruir o livro para proteger sua família, contudo o livro está protegido por um feitiço e somente as fadas parece ter o poder de quebrá-lo. Ele precisa encontrar sua tia Lucinda para descobrir um meio de destruir a obra e proteger sua família do cruel Mugarath.

Os roteiristas aqui surtaram um pouco, decidiram pegar os 5 livros da saga e condensar em um único filme. O que acabou desperdiçando um ótimo elenco, com destaque para Fredie Highmore. Não que a mitologia da obra seja extraordinária, mas poderia ter sido muito bem aproveitada com uma adaptação fiel e menos afobada.

De toda sorte, as crônicas de Spiderwick são um grande exemplo de obra que ficaria bem adaptada em uma mini-série, contando com detalhes a história de Arthur Spiderwick, sua filha Lucinda e da família Grace.

Todas essas três sagas merecem uma segunda chance, seja no cinema ou TV, mas que realmente consiga demonstrar toda a sua grandiosidade e beleza.

Essa lista foi bem curtinha, quem sabe em breve não apresentamos mais algumas obras que merecem uma segunda chance? Gostaram? Quais histórias vocês adicionariam? Comentem!

Lady Hortencia

20 e poucos anos, estudante de Direito, curte um bocado de cultura nerd e artes visuais, nas horas vagas cuida da sede desse Conselho e tenta manter tudo em ordem

More Posts

Commentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *